Seu Momento Inesquecível da Maternidade – Parte 1

Dia das Mães chegando e o Pitadinhas quer homenagear estas mulheres fantásticas que transformam a vida dos filhos e são transformadas por eles, diariamente.

E nada melhor que compartilhar emoções, momentos, experiências de mães, as grandes divas e guerreiras, foco das celebrações e que devem ser constantemente enaltecidas por seu trabalho de amor e doação.

A convite do blog, algumas mães blogueiras do Vale do Paraíba (região do estado de São Paulo), escreveram textos em que respondem a uma pergunta aparentemente simples e clichê, mas que definitivamente é responsável pela grande mudança de suas vidas, o tal do divisor de águas, o antes e depois de seus caminhos.

E saiba também qual é o meu momento inesquecível.

Qual o seu Momento Inesquecível da Maternidade?

 

Texto de Gabriela Torres, mãe do Vitor e da Rafaela, idealizadora do @maede_verdade

seu momento inesquecível da maternidade

“Pra nós mães todos os momentos da maternidade são inesquecíveis não é mesmo?

Sem dúvida o nascimento do Vitor, meu primogênito foi o dia mais feliz da minha vida, afinal nesse dia, pela primeira vez eu senti o amor mais puro de todos, eu tinha a sensação de que meu coração ia explodir de tanta alegria.

Com o nascimento da Rafa eu senti exatamente a mesma coisa, porém outros sentimentos como medo e tristeza fizeram parte desse dia, que sem dúvida foi um momento inesquecível da maternidade pra mim.
Ouvir do pediatra que ela tinha síndrome de down foi como um tiro no meu peito, eu tive a sensação de ter morrido por uns instantes, eu parecia não ouvir e nem enxergar mais nada naquele momento.
Eu não rejeitei minha filha, na verdade não quis rejeita-la.
Hoje quando me lembro do dia do seu nascimento eu sinto vergonha por ter sido tão preconceituosa.
Naquele dia eu achava que estava sonhando, que eu iria acordar e nada daquilo seria verdade. Apesar de feliz, foi também um dos dias mais difíceis da minha vida.
 Depois tudo mudou. O AMOR superou o medo, que virou coragem.
 Muitas coisas aconteceram.
Alguns nos olhando com pena, outros arriscando algumas palavras de conforto.
Ai veio o diagnóstico de que ela não tinha Síndrome de Down e sim Cromossomo 21 em anel (que eu batizei de #SindromeDeRafaLinda).
Apareceram inúmeras pessoas com a famosa frase: EU SABIA que não era Síndrome de Down.
Como se isso soasse como conforto aos meus ouvidos.
Eu entrei em desespero isso sim. O medo do desconhecido era inevitável e desesperador.
Nos deparamos com pessoas preconceituosas, mas também com muitas pessoas maravilhosas. Conhecemos pessoas incríveis, que nos ajudaram muito.
Eu sempre fui a pessoa mais ansiosa do mundo.
E minha menina testou MUITO minha ansiedade e testa até hoje.
Ainda na gestação, quando soube que estava esperando uma menina, já imaginei nós duas escolhendo o vestido de noiva, assim como eu e minha mãe fizemos quando eu fui casar. Hoje tenho consciência de que talvez ela não se case e nem tenha filhos.
Não, eu não estou subestimando ela. Pois sabemos que é possível sim que pessoas com comprometimento intelectual se casem, tenham filhos, tenham uma vida independente. Mas tenho consciência de que isso pode não acontecer. E é por isso que quero que ela saiba que eu estarei disposta a cuidar dela até meu último suspiro se for preciso.
Hoje eu tento viver um dia de cada vez e não faço muitos planos, pois o nascimento da Rafa me mostrou que somente Deus está no controle de nossas vidas. Porém o medo do futuro algumas vezes é inevitável. Mas Deus tem me dado força e sabedoria para lidar com isso.
 Por muitas vezes eu chorei de medo. Mas por muitas vezes ela me fez chorar de alegria.
E hoje eu choro muito mais de alegria.
E ela torna todos os meus dias inesquecíveis.”

Texto de Diana, mãe da Antonella e idealizadora do @dadsfrancine

seu momento inesquecível da maternidade

“Durante​ toda gravidez eu quis muito ter um parto normal, busquei muita informação​, vi vídeos​, conversei muito sobre isso e só me imaginava “parindo”. Eu queria que tudo fosse na nossa hora, nada marcado, nada forçado, NATURAL, eu me desafiei, me sentia preparada pra essa experiência entre “céu e inferno” “conhecer Deus” que tanto ouvi dizer.

Porém, durante toda gravidez Antonella permaneceu pélvica, sentada.

Entrei em trabalho de parto as 40 semanas, sabia que um parto normal pélvico seria de risco e somente um médico muito experiente faria isso, eu não conhecia os médicos plantonistas, fiz o pré natal no SUS. Orei muito e coloquei nas mãos de Deus e Nossa Senhora.

Ela nasceu de cesariana, sala fria, luzes fortes, pra mim nada daquilo era natural, desilusão era o que eu sentia, e aí pra tentar fazer aquele momento mais “natural” ou como aquilo que desenhei toda gravidez, eu cantei pra ela, como cantei durante a gravidez nos nossos momentos, cantei do momento do choro até​ a hora em que vieram me mostrar, pra mim isso durou uma eternidade, mas eu ia cantando “mãezinha do céu eu não sei rezar, eu só sei dizer que quero te amar.”

Ela chorava e parava, como se me escutasse, como se soubesse que eu estava ali por perto, pra mim o meu canto foi dizer a ela “tudo bem, tiraram você daqui mas vai ficar tudo bem” sabe?

Como eu a disse, nunca vou esquecer aquele momento num todo claro, mas esse detalhe, o meu canto mesmo que de voz ruim fez toda diferença, tornou aquele parto que eu tanto “repudiei” mais leve pra mim, a pediatra que nos acompanhou foi nos visitar no outro dia, me reconheceu como “a mãe que cantou” e eu fiquei feliz por isso sabe, de alguma forma foi diferente não só pra mim​, mas pra quem estava conosco.

E essa música ficou na minha memória de mãe como a nossa música, do momento mais lindo da nossa vida, nosso encontro.”

 

Texto de Marcela, gravidinha do seu primeiro bebê e idealizadora do @falamarcela

seu momento inesquecível da maternidade

“Ser mãe sempre foi um sonho, mas sempre quis fazer isso da forma mais natural e planejada possível. Sem sofrimentos, ou correrias, queria poder curtir cada momentinho dessa gestação.

A decisão mais importante foi quando decidimos que estava na hora! Fui até minha médica, fiz todos os exames e então, começamos os trabalhos..rs…e aí, em mais ou menos 2 meses, chega a notícia linda.

Logo no início do ano eu já sentia que estava grávida, de uma maneira estranha de explicar, eu sabia que estava grávida! Foi quando em uma segunda-feira, passei mal na academia. Fui até a farmácia, comprei 2 testes de gravidez. Um eu fiz no mesmo dia, ali mesmo, no meu trabalho…e veio a confirmação.
Fiquei ainda sem acreditar, mas guardei aquilo pra mim, ainda não era a hora de contar para o Bruno. Na quarta-feira de manhãzinha, levantei bem devagar e fiz o outro teste…PRONTO! Estou grávida. Voltei pra cama e me levantei junto com o Bruno, como se nada tivesse acontecido. Tomei meu café, fui trabalhar, e nesta quarta-feira, dia 18 de janeiro de 2017, meu horário de almoço foi diferente.
Fui até o laboratório com a convicção de que estava grávida. Com um sorriso no rosto, sentei, tirei o sangue e às 16h voltei para buscar o resultado. Saí de lá com as mãos tremendo. Parei no meio da rua e ali mesmo, abri aquele envelope que eu sabia que mudaria minha vida pra sempre. Foi como se não existisse mais ninguém ao meu lado, eu estava sozinha ali…e quando vi o resultado, foi uma mistura de sentimento que não sei detalhar.
Mas sei que a a partir dali, parece que virou uma chavinha dentro de mim e eu me tornei..MÃE.
O momento de contar para o pai foi o mais lindo possível. Tomei todos os cuidados para tornar essa lembrança ainda mais inesquecível.
Desde então nossos dias são mais completos. Eu sei que não estou mais sozinha, meu bebezinho tá aqui comigo, me acompanhando onde eu vou, dando alguns chutinhos ainda tímidos mas que me mostram “hey, mãe, estou aqui com você”. E isso, não tem coisa melhor.
Nosso melhor momento agora é quando estamos deitados tentando algum contato com nosso bebê, é tão gostoso, conversamos, colocamos música pra ele ouvir e a vida fica ainda mais completa.

Sem pestanejar posso afirmar que ser mãe, tem sido uma das experiências mais lindas da minha vida.

Obrigada, meu bebê, por me fazer uma pessoa ainda mais completa. Eu amo você!”
A Marcela tem também, um vídeo lindo, daquele de arrancar muitas lágrimas mesmo, em que revela para quem a acompanha e para os familiares, a descoberta de sua gravidez.

Texto de Ellen Soares, mãe do Nicolas, idealizadora do @blogellensoares

seu momento inesquecível da maternidade

“Bom, falar de um momento inesquecível na maternidade é difícil pq cada minuto é único e passa muito rápido, mas não há palavras para descrever o momento que conheci o grande amor da minha vida.
Momento em que meu coração passou a bater fora do peito, até hoje me emociona demais quando me lembro!”

Momentos absolutamente perfeitos!

A conexão mãe e filho, o nascimento da mãe, pois é com a certeza de maternidade latente que a mãe surge e começa a viver.
Agradeço as meninas imensamente por permitir que o blog conte suas histórias e toque os corações de outras tantas mamães.
Divida o seu relato comigo: nos comentários abaixo ou nas redes sociais do Pitadinhas Maternas
Feliz Dia das Mães para estas mamães fabulosas e desfrutem muito, de seus presentes mais maravilhosos: seus filhos.

Compartilhe este texto com mais pessoas

Comentários via Facebook

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *