Pão Australiano estilo Outback®

Receita de Pão Australiano estilo Outback®

Sabe aquele pão escuro e cheio de sabor que é difícil de encontrar nas padarias convencionais e ficou famosinho por ser servido pela rede Outback® (aquele que vem com aquela manteiga maravilhosa, antes de pedir os pratos que iremos degustar)?

Então a pessoa aqui que vos escreve, se aventurou na cozinha mais uma vez e tentou reproduzir em casa, o tal pão.

Eu quando cismo com uma coisa, não há quem tire a ideia da minha cabeça. E a vontade de fazer o pão foi potencializada pelo fato de que Melissa, minha filha, simplesmente ama este pão.

E eu fico caçando o mesmo nas padarias próximas a minha residência, e é missão impossível.

Tem um único lugar que comercializa, mas confesso que o gosto não me agrada e pior, no dia seguinte o pão fica tão duro, que é lixo na certa (infelizmente).

Procurei então uma receita que não fosse mirabolante demais para reproduzir e achei uma bastante realista, porém com ingredientes que eu não tinha na dispensa.

E isto ia me impedir de fazer? Jamais!!!

Fui esmiuçando o post da receita e descobri possíveis substituições para os itens e cheguei a um denominador comum que é o resultado da minha versão, que apresento aqui para vocês.

Receita de Pão Australiano estilo Outback®

Ingredientes

  • 1 xícara de chá de água morna (a temperatura está correta quando você consegue colocar o dedo e suportar o calor da água na pele)
  • 1 colher de sopa de óleo (canola, girassol, soja, milho – não sei se dá certo com o óleo de coco)
  • 1 colher de sopa de margarina
  • 1/2 xícara de mel
  • 3 xícaras de farinha de trigo branca
  • 1 xícara de farinha de trigo integral

Na receita original era usada a farinha de centeio (a qual não achei), então substitui a quantidade de farinha de centeio pelas duas farinhas.

  • 1 colher de sopa generosa de cacau em pó
  • 3 colheres de sopa de açúcar mascavo
  • 1 colher de chá de sal
  • 1 colher de sopa de amido de milho (na receita original é utilizado o glúten, mas é praticamente impossível de achar né?)
  • 2 e 1/2 colheres de chá de fermento biológico instantâneo (seco, aquele granulado de saquinho, pois não precisa fazer a ativação dele com o açúcar, por exemplo)
  • fubá para polvilhar

Como preparar o pão

Em uma tigela grande, agregar os ingredientes (exceto o fubá), na ordem descrita acima.

É fundamental que se respeite a sequência acima descrita dos ingredientes.

Incorporar todos os itens até ficar uma massa homogênea.

Sovar (amassar) a massa em torno de 15 minutos (é um processo cansativo, mas necessário).

Deixar crescer coberta por um pano grosso, por aproximadamente 1 hora ou 1 hora e 20 minutos (depende muito do tempo, se estiver mais quente, a massa cresce mais rápido).

Retirar o pano e modelar os pães.

Divida a massa em partes iguais.

Eu modelei os pães no sentido do comprimento (aqui fiz 6 pães no formato de baguete pequena).

MOMENTO IMPORTANTE DA RECEITA

Coloque o fubá em um prato.

Umedeça suas mãos levemente com água filtrada, e passe sobre cada pãozinho (sem encharcá-lo).

Passe o pão úmido em cima do fubá, como se fosse empaná-lo. Remova o excesso de fubá e os disponha  em assadeira (não há necessidade de untar).

Cubra-os novamente com um pano e deixe que cresçam por mais 1 hora.

Os pães não vão dobrar de volume, como nas receitas tradicionais, porque a massa é mais densa.

Após este tempo de pausa, pré aqueça o forno a 180 graus e assim, coloque-os para assar.

Eles levam cerca de 40 a 45 minutos para ficarem prontos. Depende muito do forno, então é bom ir olhando após os 30 minutos iniciais.

Como eu só tive o insight de colocar a receita no blog, depois de assados (porque deu certo, eu não levava fé, juro!), não fotografei algumas etapas das receita. Porém vou disponibilizar as fotos deles assados para vocês verem a consistência e como saem do forno.

Recomendo que espere um minutos para que fiquem mais frio para a degustação.

Pão Australiano estilo Outback®

E no dia seguinte, como ficam?

O meu grande temor, era que os pães ficassem como os que eu comprava por aí, secos demais, massudos demais e imprestáveis para comer amanhecidos.

Tive uma grata surpresa: os pães ficam um pouco mais densos sim, mas não perderam totalmente a maciez e lhes digo, dá pra comer sim no dia seguinte numa boa.

E se você assim como eu, quiser se aventurar e reproduzi-los aí na sua casa, marca o Pitadinhas para acompanhar, usando a hashtag #pitadinhasnacozinha ou deixe nos comentários abaixo e minhas redes sociais, suas impressões sobre o pão.

Ah e sabe a manteiga que acompanha o pão? Eu não fiz em casa porque não tinha manteiga na geladeira, mas segundo a fonte original da receita, é fácil de reproduzir também: com 1 xícara de chá de manteiga em temperatura ambiente, é só bater na velocidade máxima da batedeira e ir acrescentando água gelada (para ser exata 1/4 de água gelada no máximo) enquanto bate para que a manteiga adquira aquela consistência magnífica.

Dá para bancar de Outback® no conforto do seu lar.

Compartilhe este texto com mais pessoas

Comentários via Facebook

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *