A jornada da maternidade é única: cada mãe tem a sua verdade

As decisões que eu fiz como mãe não são um julgamento sobre as decisões que você fez como mãe. (autor desconhecido)

Quis abrir o texto com esta citação, pois reflete literalmente como a jornada da maternidade é única, assim como a mãe que trilha este caminho também se faz singular.

Desde que nos tornamos MÃES, a vida se transforma em um jogo diário de escolhas. Escolhas estas ora gigantes, ora mais tranquilas, porém todas muito impactantes na condução das relações com nosso ou nossos filhos.

E no olho do furacão de cada próximo passo a ser dado, começamos a nos questionar, a tentar entender o peso destas decisões, se são escolhas chamadas de certas ou de erradas.

E do outro lado do muro, também mora alguma outra mãe, que provavelmente está passando pela mesma sensação, pelos mesmos questionamentos.

Forma-se assim o espectro das mães que querem acertar 100% do tempo.

Mães que estão assustadas, sentindo-se despreparadas ou ainda, se ambientando com a jornada. Mães que precisam “devorar” referências, absorver o que as outras seguem, fazem e escolhem.

E inevitavelmente aparece o tal do complexo (clichê ) de que a grama do vizinho é sempre a mais verdinha.

Vulneráveis, estas mulheres concedem espaço para que outras pessoas joguem seus pitacos, “conselhos” e o que mais servir para amparar a jornada materna.

Mas antes de se perder neste turbilhão de informações, quero dividir contigo uma afirmação:

A jornada da maternidade é única

cada mãe tem a sua verdade

Eu, Beatriz, faço coisas diferentes, faço coisas iguais a outras mamães. Divido com estas mulheres, valores, lições, pensamentos, mas somos completamente antagônicas.

E perceber que o foco não está no que estas mães estão fazendo, na tentativa de me enquadrar, me permite entender melhor as necessidades da Melissa e da minha família.

E a minha pretensão com este post é fazer você enxergar que você tem a sua verdade, que só você sabe o que funciona com os seus filho. A maternidade não é espelho.

E assim perceber que tanto eu, como você, estamos longe de ser especialistas na MATERNIDADE, mas que somos,consequentemente, experts em ser a MÃE de nossos filhos.

Então, sou phD em ser mãe da Melissa.

Cada mãe tem a sua verdade

cada mãe tem a sua verdade

E o “barato” disto tudo é descobrir a sua.

Para engrossar o coro, convidei a amiga Talita, idealizadora do blog Só Melhora, para escrevermos a quatro mãos este texto acerca da singularidade da maternidade:

Minha mãe jura que chá de limão com mel cura qualquer dor de garganta.
Minha avó diz que as primeiras unhas cortadas do bebê devem ser colocadas dentro da Bíblia para que a criança seja inteligente.
Eu costumo consultar o Google e o grupo de mães paralelamente à consulta ao pediatra.
Tenho amigas que são terminantemente contrárias ao uso da chupeta.
Eu dei o bico para o meu filho no seu segundo dia de vida.
Há quem não veja problema em agradar a criança com um docinho de vez em quando.
Eu já penso que não precisamos oferecer açúcar algum para os pequenos – especialmente antes dos dois anos.
Conheço mães que optaram por deixar a carreira de lado para cuidar exclusivamente da casa e dos filhos.
Conheço outras que conseguiram trabalhar meio período e aquelas que se acertam trabalhando em casa mesmo.
Eu e meu marido trabalhamos o dia inteiro e nos dividimos para dar conta da casa e do filho, além de pedir ajuda externa.
Tenho exemplos na família de crianças que só foram para a escola depois dos 3 anos.
Entre minhas amigas, algumas escolheram deixar seus bebês aos cuidados da avó.
Nós já tivemos a ajuda de uma babá e atualmente deixamos o pequeno em período integral no colégio.
Por aqui já tivemos fase de deixar o filhote dormindo sozinho no berço (mesmo que ele desse uma choradinha para isso).
Em outros momentos, deixávamos ele terminar a noite na nossa cama.
Por algum tempo, ele dormiu a noite toda na nossa cama.
Atualmente, ele dorme sozinho no seu quarto.
Todos esses exemplos ilustram uma coisa bem simples: cada família funciona de um jeito.
O que dá certo numa casa, muitas vezes não dá em outra.
Até mesmo numa mesma família, algo pode funcionar para um filho e não funcionar para outro.
Uma técnica pode dar certo num momento e não dar mais na próxima fase da mesma criança.

Cada mãe tem sua verdade.

Cada família tem seu jeito.

Não existe uma única verdade ou um único jeito certo.
Gosto de dizer que o certo é o que funciona para a gente.
Simples assim.
O que acharam da visão da Talita?
Acredito que ela conseguiu expressar as particularidades de cada casa, mostrando que nós mães não precisamos exibir uma verdade única e absoluta.
Ou mesmo se munir de regras engessadas para atestar que a maternidade funciona melhor seguindo tais regras.
A ideia de falar da verdade que cada mãe carrega consigo originou uma linda poesia, que é o princípio desta conversa, e que você pode ler na íntegra no blog Só Melhora.
Então pense sempre: quem sou eu para afirmar que outra mãe está agindo ou tomando decisões erradas?
E entenda que a maternidade é a sua jornada com seus filhos.
E é isto o que realmente importa!!!
Compartilhe este texto com mais pessoas

Comentários via Facebook

comentários

3 thoughts to “A jornada da maternidade é única: cada mãe tem a sua verdade”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *